Informações para pais e educadores
Header

fotografia de Margarita Noyes e Mariana DiscacciatiMargarita Noyes on Homeschooling

Nesta quarta-feira, dia 28 de dezembro, irá ao ar o segundo programa sobre Homeschooling no BlogTalkRadio. O programa chama-se “Margarita Noyes on Homeschooling” e irá ao ar semanalmente, às 21h das quartas-feiras. A duração será de meia hora e eu farei perguntas sobre homeschooling para Margarita Noyes, uma americana que educou os quatro filhos em casa (hoje com 22, 20, 18 e 16 anos de idade). No programa iremos responder as perguntas dos ouvintes que sejam enviadas antecipadamente para o e-mail [email protected]. Também tentarei fazer uma tradução simultânea dos depoimentos da Margarita. Embora eu não tenha prática com tradução simultânea e nem tenha um inglês perfeito, creio que isso ajudará os pais que não compreendem bem o inglês. No programa desta semana a Margarita irá nos contar quais foram as principais motivações que a levaram a optar pelo homeschooling. Fica a dica: “Margarita Noyes on Homeschooling“, todas as quartas-feiras, às 21h (o arquivo de áudio do programa ficará disponível no site para download).

Mensagem de Natal

24 de dezembro de 2011 | Publicado por Mariana em Homeschooling | Mensagem da Semana - (0 Comentário)

Neste vídeo extraído de umas das aulas inglês online da professora Margarita Noyes, ela fala sobre um dos vários problemas gerados pela exposição das crianças à televisão: a ganância e o consumismo exagerado. Para exemplificar, ela descreve uma das tradições que mantinha em sua família quando seus filhos eram crianças e que lhes ensinava verdadeiro espírito do Natal.

Um feliz Natal a todos!

Mensagem do padre Paulo Ricardo com sábios conselhos sobre como educar os filhos para que sejam sinceros.

Segunda e última parte do artigo “Estar com os bebês”  (original no site Pikler/Lóczy Fund USA), escrito por Anna Tardos, do Instituto Pikler em Budapeste. Leia também a primeira parte do artigo.

Estar com bebês – Anna Tardos

Tradução: Mariana Discacciati

Revisão da tradução:Raquel Borges

Fora do ambiente da família, é especialmente perigoso se a atividade de trocar e vestir o bebê não é realizada desta maneira alegre. Numa creche ou instituição, o bebê é cuidado não por sua mãe, pai ou avó que o olham com amoroso orgulho, mas por outra pessoa: uma profissional, educadora, cuidadora. Uma cuidadora tem de cuidar de vários bebês – um atrás do outro; e não importa o quanto ela ame crianças, uma vez que foi por isso que ela escolheu essa carreira, ela não pode olhar para cada bebê com o amor orgulhoso, entusiasmante e adorador de uma mãe. E eu quero dizer mais: isso sequer pode ser esperado dela. Não seria realista. E, infelizmente, na realidade seus movimentos muito facilmente se tornam mecânicos, rápidos, e rotineiros. A ocasião de estar junto frequentemente acontece sem palavras, de maneira impessoal. Em uma ‘boa situação’, a criança não protesta, mas aguenta passiva, e talvez faça esse estar juntos um momento difícil por enrijecer seus músculos. E, portanto, não é um prazer para nenhuma das partes: nem para o bebê, nem para o adulto.

Como isto pode ser ajudado? Deve se esperar da cuidadora que ela ame cada criança que ela tem que cuidar como uma mãe? Mas isso é impossível. Sim, isso é impossível. Amor não pode ser prescrito, especialmente afeições maternas. Mas pode ser ajudado. Existem algumas regras pequenas e muito simples, e, se a cuidadora as seguir, a atmosfera de estar juntos se tornará completamente diferente, e será cada vez mais agradável tanto para o bebê quando para o adulto estar juntos durante os cuidados. Eventualmente, com tempo, o adulto não terá que pensar sobre regras e segui-las. Se tornará natural que ele se aproxime do bebê como um parceiro, com interesse pessoal e tato, e sua higiene, limpeza, despir, vestir e trocar fraldas será em última análise um encontro de dois seres humanos. Um encontro real, quando a criança não é apenas o objeto de tudo aquilo que acontece com ela, mas uma participante também. Listadas abaixo estão algumas regras que têm sido formadas, refinadas e trabalhadas baseadas na experiência de algumas décadas do Instituto Pikler em Budapeste, com base nos ensinamentos da pediatra húngara Emmi Pikler. No Instituto, centenas de crianças abandonadas e órfãs foram criadas para se tornarem jovens adultos com personalidades saudáveis, comprovado por estudos de acompanhamento, apesar do fato de que tiveram que lidar com a falta do acolhimento do amor familiar em sua idade mais vulnerável.

  • Nunca pegue uma criança inesperadamente em seus braços de forma que seja surpreendente para ela. Chame-a, procure por seu olhar. Se ela está adormecida e ainda assim você precisa pegá-la, chame-a, gentilmente acaricie sua face, e espere até que ela acorde espreguiçando. Uma vez que o contato visual tenha sido estabelecido, diga a ela que você irá pegá-la. Sim, mesmo com um bebê de apenas alguns dias ou semanas de idade. Então, somente depois, estenda seus braços até ela.
  • Os movimentos nunca devem ser excessivamente precipitados. Permita tempo suficiente ao bebê com seus gestos para que ele se prepare para o que vai acontecer. Por exemplo, toque-o suavemente, posicione suas mãos gentilmente sob sua cabeça e corpo, e então levante-o alguns instantes depois.
  • Ajude-o também com palavras para prepará-lo para o que vai acontecer. Isso também significa que nós nunca ficamos em silêncio juntos, mas falamos com o bebê; mantemos uma conversa. Converse com ele sobre o que será feito, que tipo de roupas serão separadas para serem colocadas nele. Sobre que parte do seu corpo será tocada. Fale com ele, informe-o, não apenas enquanto a ação já está sendo feita, mas também antes dela começar: “Eu irei puxar o seu braço por cima da manga do casaco. Sim, este seu braço. Obrigada”. Acredite se quiser, o milagre irá acontecer com a idade de apenas alguns meses. Sorrindo, o bebê irá, embora incerto, levantar seu braço quando a mão do adulto tentar alcançá-lo. E que prazer é para o adulto, e que prazer para o bebê!
  • O bebê precisa ser ouvido quando o adulto está cuidando dele. Ele precisa ser respondido. Em um relacionamento criado dessa forma o conteúdo da conversa será cada vez mais rico, e o bebê conseguirá respostas às suas manifestações. A cuidadora pode dizer, por exemplo, “Eu vejo que você gosta desse casaco bem quentinho. Sim, estou vendo, você está com sono agora. Você acabou de bocejar. Eu irei te colocar na sua cama em breve. Aqui estamos, eu irei te colocar na sua cama. E agora estou te cobrindo. Bons sonhos!” Um bebê de apenas alguns meses já absorve as palavras direcionadas a ele. E ele ajuda o adulto cuidador a ficar com ele com sua atenção – seus pensamentos, seu interesse – ainda que seja a terceira ou oitava criança cujas fraldas ele esteja trocando naquela manhã.

Estas são regras simples; não há nada de surpreendente nelas. E ainda assim vale a pena observarmo-nos para ver se é realmente assim que estamos agindo, e se nós usamos as oportunidades de estar juntos com a criança para criar um diálogo mais significativo com gestos, olhares, e fala, no qual o bebê também pode sentir que ele é um verdadeiro parceiro e um participante ativo, e que faz a hora de estar juntos mais alegre para o adulto nos momentos de cuidado repetidos durante o dia.

Este post traz a primeira parte do artigo “Estar com os bebês”  (original no site Pikler/Lóczy Fund USA), escrito por Anna Tardos, do Instituto Pikler em Budapeste. Um dos mais importantes princípios da abordagem desenvolvida por Emmi Pikler (1902-1984) é o de que o adulto deve estabelecer uma relação de confiança e interação com o bebê durante os principais cuidados (banho, troca de fraldas, alimentação). Além disso, o espaço é organizado para que o bebê possa se movimentar com mais liberdade desde muito cedo, o que proporciona maior autonomia (a criança conquista cada posição por si mesma na medida em que é capaz de manter sua postura) e melhor desenvolvimento motor. 

Estar com bebês – Anna Tardos

Tradução: Mariana Discacciati

Revisão da tradução:Raquel Borges

Fotografia de uma mãe conversando com seu bebêBebês nos afetam de maneira maravilhosa. Eles nos encantam. Eles nos tocam muito profundamente. Eu acho que não estou errada em alegar que ninguém pode passar por um carrinho de bebê de um estranho sem parar e sorrir para ele. Todo bebê e, claro, nossas próprias crianças, despertam indescritíveis emoções em nós. Nós nos inclinamos sobre nossos bebês repetidas vezes e sentimos prazer quando os vemos adormecidos, e procuramos por seus sorrisos quando estão acordados. Nós gostaríamos acima de tudo de tê-los constantemente em nossos braços.

Tudo acima é verdadeiro. E porém, não exatamente. Muitas vezes acontece que nos importantes momentos de estar juntos nós não prestamos realmente atenção neles, porque estamos preocupados com as tarefas relacionadas a eles: vestindo-lhes as camisas, limpando seus bumbuns, ajustando suas fraldas. Nós tocamo-los, movemo-los, e às vezes falhamos em notar a expectativa em seus olhares enquanto nos observam. Nós não pensamos em quão felizes eles ficariam em ‘ajudar’ se tivéssemos uma discussão com eles nesse meio tempo, e se nós contássemos a eles o que estamos a fazer:

“Agora eu irei tirar sua fralda para ver se há algo nela. Eu irei limpar sua pele e levantar seu bumbum. Você me permite fazer isso? Agora, irei colocar esse casaco em você. Vê como ele é bonito? Sua avó o fez para você. Primeiro estou puxando um braço para cima, depois o outro. Eu preciso te levantar um pouco. Não é muito fácil, mas nós conseguimos”.

Eles ajudariam? Sim. O bebê prestaria atenção naquilo que estivéssemos fazendo, relaxaria seus braços, e, com a idade de apenas alguns meses, ele levantaria seus braços em nossa direção quando lhe mostrássemos sua camisa. Uma conversa real pode ser formada dessa maneira entre o adulto e o bebê. Dessa maneira, os rápidos e pouco cuidadosos movimentos que frequentemente lançam uma sombra na atividade conjunta durante os momentos passados juntos podem ser evitados: pernas levantadas muito altas, muito rapidamente giradas para o lado, o braço do bebê ficando preso na manga, ou as pernas presas nos macacões com zíper (não muito práticos).

Esta pode ser uma experiência bastante desagradável para o bebê. E também acontece que, ao invés de um rico e significativo diálogo realizado durante um prazeroso momento conjunto, o adulto tem que vestir um bebê que chora e protesta. Nesta hora, o adulto tentaria acalmar o bebê: “Eu estou vendo que você está cansado. Tudo bem, terei pressa e nós iremos terminar rápido”. Neste meio tempo, os movimentos ficam cada vez mais rápidos, e frequentemente precipitados, portanto ainda mais desagradáveis para a criança. É uma pena. Por quê? Porque a atividade de vestir ou trocar, repetida várias vezes no dia, pode ser também um alegre encontro em conjunto.

Por que devem os pais mostrar um procedimento digno e nobre?

1ᵒ   Porque o exercício da autoridade é fácil, quando aqueles que são depositários dela merecem estima. Ora, a estima só se obtém pela nobreza, dignidade e virtude.

       Um domínio de si mesmo, uma firmeza sempre calma, uma atitude virtuosa elevam os pais aos olhos dos filhos, atraem a estima e afirmam autoridade.

2ᵒ   Pelo contrário, tudo o que rebaixa o homem, como as palavras grosseiras, as pragas, o excesso na bebida, os acessos de cólera, etc., são como pequenos escândalos, que fatalmente deprimem a autoridade de quem os dá.

Catecismo da Educação – Abade René Bethléem