Informações para pais e educadores
Header

Elogios e reprimendas: medida, lógica e justiça

25 de setembro de 2012 | Publicado por Mariana em Mensagem da Semana

Nos elogios como nas reprimendas, nas recompensas como nas punições, é preciso ter medida, lógica e justiça. Medida, porque o excesso acaba por desconcertar e mesmo por fazer duvidar do julgamento de quem detém a autoridade. Lógica, porque nada adianta felicitar hoje por uma ação que ontem mereceu uma crítica. Justiça, porque uma recompensa imerecida perde o interêsse e a fôrça.

Cumpre evitar fazer elogios sem reserva às crianças. A discrição é quase sempre necessária. É claro que testemunhamos nossa estima: ‘Sempre acreditei que eras capaz disso e de mais ainda.’ Estimulemos mas não tratemos a criança como se ela fôsse uma perfeição confirmada em graça. A criança, a quem exprimimos sem cautela e sem medida todo o bem que dela pensamos, corre o risco de tornar-se imediatamente gabola ou um pavãozinho infatuado dos seus próprios méritos.

A arte de educar as crianças hoje – Pe. G. Courtois

Você pode acompanhar as respostas desse post através do RSS 2.0 Você pode deixar um comentário, ou trackback.

5 Comentários

  • Rodrigo says:

    Oi Mariana,

    Tudo bem? Aqui é o Rodrigo do COF-BH. Na nossa penúltima aula o professor voltou a que não devemos dar bronca nas crianças pequenas apenas em casos de extrema necessidade.

    Eu tenho um filho pequeno (e outro bebê, mas este não vem ao caso) e, embora ele seja uma ótima criança, com alguma frequencia eu me vejo na necessidade de corrigi-lo. Por mais que os motivos sejam realmente pequenos (deixar os brinquedos desarrumados, gritar quando o irmão pequeno está dormindo, falar que alguém que o está visitando é feio, etc), não me parece adequado deixá-lo maltratar uma visita e fazer outras coisas como essa.

    Você tem algum material que desenvolve melhor este tema?

    um grande abraço,
    Rodrigo

    • Mariana says:

      Olá, Rodrigo!
      Qual é mesmo a idade do seu menino? Pergunto isso, pois a idade faz bastante diferença na forma como você poderá corrigi-lo. Eu não acredito que corrigir de forma rígida ou xingando seja eficaz. Uma coisa que o professor Olavo sempre diz é que o excesso de ordens diminui a autoridade de quem as dá, pois muitas vezes são ordens que falamos por falar, e a criança percebe qualquer tipo de excessos ou incoerências. Mas, claro, precisamos educar as crianças para serem disciplinadas, seguirem uma rotina que as beneficiará, cultivarem virtudes, etc. Para mim, a melhor forma de fazer isso é de forma positiva: se seu filho deixou os brinquedos jogados, faça com que este momento de guardá-los seja agradável. Ao invés de apenas mandá-lo ir guardar a bagunça, avise que é hora de brincar de colocar tudo no lugar, faça uma contagem regressiva, etc. Quanto a corrigi-lo (no caso de maltratar uma visita, por exemplo), nunca o faça na frente de outras pessoas (no futuro, nem mesmo na frente do irmão). Chame-o num canto e explique o problema. Mas quanto mais nova for a criança, menos você precisa de fato explicar: na aula sobre as Camadas da Personalidade, o Olavo explica o porquê é improdutivo dar mil explicações a crianças que não tenham chegado na camada 3 (por não terem ainda adquirido o domínio da linguagem). Concordo com o Olavo que não devemos dar bronca, mas isso não significa deixar de educar: de forma preventiva, mais positiva, com tranquilidade. Criar uma rotina para a criança ajuda muito no “controle” das birras, negações para realizar as tarefas de casa (como guardar brinquedos)…
      O livro do Pe. Courtois, “A Arte de Educar as Crianças de Hoje” (do qual retirei o trecho para o post acima) é uma pérola, todos os pais deveriam ler. Se você for lendo este livro e meditando sobre as situações concretas do que ocorre na sua família, creio que encontrará resposta para as suas dúvidas. Outro autor que recomendo é o Mons. Álvaro Negromonte. Você encontrará para baixar alguns livros dele sobre educação: “A educação dos filhos”, “A força do exemplo” e “Corrija seu Filho”. Outra boa referência é o site da editora Quadrante: lá você encontrará muitos livros e artigos bons sobre educação. Uma conhecida me indicou o livro “As pequenas virtudes do lar” (http://www.quadrante.com.br/livrariavirtual_detalhes.asp?id=41&autor=28&pagina=1), ainda não tive tempo de lê-lo, mas parece ser muito bom.
      Espero ter ajudado!
      Um abraço,
      Mariana

  • Rodrigo says:

    Oi Mariana,

    Obrigado pela resposta! O meu filho mais velho tem 2 anos e 8 meses. Vou olhar com cuidado as referências que você me passou.

    um abraço,
    Rodrigo

  • Andréa says:

    Boa noite. Tenho um filha de 5 anos, que sempre foi muito elogiada pelas pessoas alheias, agora tenho notado que ela começa a se mostrar muitas vezes inconveniente por querer ser o centro, a melhor. Também está muito desatenta, só querendo brincar o tempo todo, não quer nem assistir tv. Tem alguma dica para tentarmos reparar esse comportamento desagradável.

    • Mariana says:

      Olá, Andréa.

      Você precisa explicar para sua filha que para conseguir que os outros prestem atenção nela, é preciso fazer algo valioso para as pessoas, pois a atenção deve ser merecida. Explique amorosamente e com carinho e vá corrigindo dessa forma, mas sempre privadamente.

      Quanto à desatenção, acho até favorável que ela não queira ver TV, pois esta apenas leva a mais desatenção. Faça um pesquisa no Google sobre o “temperamento sanguíneo”. Por sua breve descrição sua filha parece ter esse temperamento e é nosso dever como pais educá-la para vencer suas más tendências e “moldar” o temperamento, que é inato. Se ela tiver mesmo esse temperamento, é fundamental que você a ensine a terminar tudo aquilo que começa (as brincadeiras, por exemplo), que mantenha uma rotina e ritmo diário e que valorize a ordem (no tempo e no ambiente). Além disso, se for mesmo sanguínea, obedecerá bem uma autoridade amorosa. Seja muito firme naquilo que é certo e errado e muito educada e carinhosa para que ela coopere.

      Por favor, volte depois para contar se teve ou não algum sucesso e o que encontrou pesquisando sobre temperamentos. Fiquem com Deus.



Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *