Informações para pais e educadores
Header

Educação em casa: socialização não é um problema

2 de julho de 2012 | Publicado por Mariana em Homeschooling

No artigo abaixo, Michael Smith, presidente da Home School Legal Defense Association (HSLDA), apresenta pesquisas que foram realizadas nos EUA e no Canadá e que comprovam que a socialização das crianças educadas em casa de fato não é um problema, ao contrário do que as pessoas contrárias à Educação Domiciliar insistem em alegar.

Fotografia de crianças

Educação em casa: socialização não é um problema – por Michael Smith

(Original no site The Washington Times)

Tradução: Mariana Discacciati

Uma das mais persistentes críticas à educação domiciliar é a acusação de que pessoas educadas em casa não serão capazes de participar plenamente na sociedade por faltar-lhes a “socialização”. É um desafio que atinge diretamente o coração da educação domiciliar, porque se uma criança não é devidamente socializada, como ela será capaz de contribuir com a sociedade?

Desde a reemergência do movimento de educação domiciliar no final da década de 1970, os críticos da educação em casa têm perpetuado dois mitos. O primeiro diz respeito à habilidade dos pais de ensinarem adequadamente os seus filhos em casa; o segundo se as crianças educadas em casa serão bem ajustadas socialmente.

Provar o sucesso acadêmico é relativamente simples. Hoje é aceito que crianças educadas em casa, em média, superam seus colegas da escola pública. O mais recente estudo, “Homeschool Progress Report 2009” (Relatório do Progresso da Educação Domiciliar 2009), conduzido por Brian Ray, do National Home Education Research Institute (Instituto Nacional de Pesquisa da Educação Domiciliar), pesquisou mais de 11.000 estudantes educados em casa. Foi mostrado que o estudante médio educado em casa marcou 37 por cento a mais em testes de desempenho padronizados, em relação ao estudante médio da escola pública.

O segundo mito, no entanto, é mais difícil de tratar, porque as crianças que em número considerável foram educadas em casa no final da década de 1980 e início dos anos 90, apenas agora estão chegando à idade e à posição de demonstrarem se foram bem sucedidas como adultas.

As famílias que educam em casa em todo o país sabem que as críticas sobre socialização adequada são infundadas – elas veem as evidências em suas próprias casas. Para em parte resolver essa questão a partir da perspectiva de uma pesquisa, a Home School Defense Association (Associação para Defesa da Educação Domiciliar) comissionou um estudo em 2003 intitulado “Homeschooling Grows Up” (Educação Domiciliar Cresce), conduzido pelo Sr. Ray, para descobrir como as pessoas educadas em casa estavam se saindo como adultas. As notícias foram boas para a Educação Domiciliar. Em todas as áreas da vida, desde a obtenção de emprego, a estar satisfeito com sua educação em casa, a participar das atividades da comunidade, a votar, os adultos que haviam sido educados em casa eram mais ativos e envolvidos que seus colegas que haviam estudado nas escolas públicas.

Até recentemente, “Homeschooling Grows Up” era o único estudo que tratava da socialização de adultos educados em casa. Agora temos um novo estudo longitudinal chamado “Fifteen Years Later: Home-Educated Canadian Adults” (Quinze Anos Depois: Adultos Canadenses Educados em Casa). Este estudo pesquisou estudantes educados em casa cujos pais participaram em um estudo abrangente sobre Educação Domiciliar em 1994. O estudo comparou as pessoas educadas em casa que são hoje adultas com seus pares. Os resultados são espantosos.

Quando comparados a canadenses médios de idades entre 15 e 34 anos, os adultos canadenses educados em casa e de idades entre 15 e 34 anos se mostraram mais socialmente engajados (69 por cento participavam de atividades organizadas ao menos uma vez por semana, comparados a 48 por cento da população comparável). O rendimento médio das pessoas que haviam sido educadas em casa também era maior, mas talvez o mais significativo fosse que, considerando os 11 por cento de canadenses entre 15 e 34 anos dependentes de auxílios do governo, não havia nenhum caso de suporte governamental como fonte de renda primária para as pessoas educadas em casa. Os adultos educados em casa também eram mais felizes; 67,3 por cento descreveram a si mesmos como muito felizes, comparados a 43,8 por cento da população em comparação. Quase todos os adultos educados em casa – 96 por cento – achavam que a Educação Domiciliar havia os preparado bem para a vida.

Este novo estudo deve fazer com que muitos críticos repensem sua posição sobre a questão da socialização. Os adultos educados em casa não são apenas ativamente engajados na vida civil, como também estão sendo bem sucedidos em todas as esferas da vida. Muitos críticos acreditam, e alguns pais temem, que os estudantes educados em casa não serão capazes de competir no mercado de trabalho. Mas o novo estudo mostra que os jovens educados em casa são encontrados numa ampla variedade de profissões. Ser educado em casa não tem fechado as portas para as escolhas de carreira.

Os resultados são um grande encorajamento a todas as famílias que educam em casa e aos pensamentos dos pais sobre Educação Domiciliar. Os estudantes educados em casa, tipicamente identificados como bem sucedidos academicamente, também mostram ter êxito socialmente.

Tanto o “Homeschooling Grows Up” como o “Fifteen Years Later” demonstram amplamente que os jovens educados em casa graduados são ativos, envolvidos, cidadãos produtivos. As famílias que educam em casa estão liderando a educação americana e canadense, e este novo estudo claramente demonstra que os pais que educam em casa estão no caminho certo.

Você pode acompanhar as respostas desse post através do RSS 2.0 Você pode deixar um comentário, ou trackback.

7 Comentários

  • Vinícius Marcio says:

    Ótimo saber que já existem pesquisas que comprovem a eficácia do ensino domiciliar, pois sai do mero achismo para estatística.
    Estou muito interessado em educar meus 2 filhos em casa, venho acompanhando Olavo de Carvalho há uns 2 anos e estou percebendo que esse é o melhor caminho, mas ao mesmo tempo vem um medo violento de colocá-los em um risco tremendo desde chacota até falta de oportunidade por não ter um “diploma”.
    Estou pedindo pra DEUS iluminar a mim e minha esposa e nos dar o dom da Fortaleza pra tocar essa empreita adiante.

    Parabéns pelo site, estou sempre enviando seus posts por e-mail a meus contatos.

    • Mariana says:

      Olá, Vinícius! Apoio totalmente a decisão de vocês educarem em casa. No que eu puder ajudar, estou a disposição. O contato com outras famílias que educam em casa talvez possa ajudá-los tanto para terem firmeza na decisão e não se sentirem isolados, quanto para verem como a educação domiciliar é realizada na prática, no dia a dia.
      Abraço!

  • cesar says:

    Mariana, boa noite.

    Pratico ED, você dispõe de grade curricular infantil, fundamental e médio?
    Dispõe de algum material especifico que auxilie nessa prática?

    Aguardo.

    César

    • Mariana says:

      Olá César, infelizmente não tenho indicação de nenhum currículo para ED em português. Aqui no blog procuro dar indicações de alguns livros e materiais que podem ajudar os pais na educação em casa, mas não creio que haja nenhum currículo completo para ED em português. Em inglês tenho indicação de alguns, como o Sonlight (este foi um dos currículos que a professora Margarita Noyes usou com os filhos dela).

  • Maria josé says:

    AMIGA ! R .Garcia muito bonito seu trabalho,um tempo atrás ouvi falar de um casal que veio do USA para o
    Brasil,e continuou a educação em casa,mas estava enfrentando um problema na justiça,aqui existe como
    alguns tem algum conhecimento o CONSELHO TUTELAR,,até então não ouvi falar sobre mais detalhes.

  • Danielle says:

    Boa tarde, meu nome é Danielle, sou mãe educadora de duas crianças (7 e 10 anos) e estou em fase de conclusão do curso de Pedagogia na Faculdade de Educação da UFRGS. Estou inscrita para apresentar um relato no 9ºSalão de Ensino, que será realizado em outubro/2013, nesta Universidade.
    O tema do meu relato é a Educação Domiciliar: narrativa de crianças, adolescentes e jovens educados fora da escola no Brasil.
    Coloquei em anexo o resumo enviado para inscrição no salão.
    Gostaria de convidar crianças, jovens e adolescentes educados em casa no Brasil a participar desta pesquisa, que tem como objetivo principal divulgar a Educação Domiciliar nesta Universidade e em especial na Faculdade de Educação.
    Para participar, não é necessário se identificar, somente gostaria de saber a idade de cada participante.
    Conto com o deste blog para divulgar o convite.

    Contatos: (51) 81648321/ 81648322/ 32793835
    e-mail: [email protected]
    Skype: [email protected]

    Atenciosamente, Danielle Tavares.

  • Danielle says:

    Quem desejar o resumo por favor entre em contato. Obrigada, Danielle.



Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *