Informações para pais e educadores
Header

Olavo de Carvalho: ensino de filosofia e a educação do sentimento e da imaginação

2 de fevereiro de 2012 | Publicado por Mariana em Desenvolvimento infantil

Transcrição de um trecho de entrevista concedida por Olavo de Carvalho ao programa Tribuna Independente, da Rede Vida, transmitida em 7 de outubro de 2004.

Fotografia do filósofo Olavo de CarvalhoPergunta de telespectador: Qual a sua posição sobre a inclusão da filosofia no Ensino Médio?

Olavo de Carvalho: Filosofia não é para criança. Filosofia é uma atividade de reflexão que pressupõe a aquisição de um grande volume de informações. A filosofia começa realmente quando você tem o domínio de várias ciências, o domínio das artes, da religião, da história, etc. Na hora em que você quer formar uma noção de conjunto e quer encontrar o fundamento da cultura, aí sim surge a questão filosófica propriamente dita. Eu sinceramente não acredito em ensino de filosofia para criança. O que eles fazem é ensinar discussão ou fazer pregação política e chamam a isso de filosofia. Pergunto eu: havia crianças no grupo de Sócrates? Não, eram homens maduros, homens casados, pais de família, pessoas importantes.

A formação da inteligência humana passa por várias etapas que não podem ser trocadas. Uma criança até uns sete, oito anos vive de imaginação, vive num mundo fantástico. Não adianta você querer ensinar para ela a dura realidade, porque ela não vai aprender. Ela tem que formar a capacidade de fantasiar e de imaginar primeiro. Com isto ela vai descobrindo as coisas que no mundo a agradam e a desagradam, que a atraem e a repelem, vai formando isso no seu mundo imaginário que vai ser o seu mundo de sentimento. Então a educação da imaginação e do sentimento vem primeiro. Essa educação da imaginação e do sentimento é feita sobretudo por dois elementos, a arte e a religião. Então, se fosse possível, eu centraria a educação das crianças até uma certa idade nessas duas coisas.

A medida em que se forma o seu mundo imaginativo e sentimental você começa a fazer escolhas, e nessa hora você percebe que as suas escolhas divergem das escolhas das outras pessoas. Portanto você começa a discutir com as pessoas. Nesse momento você entra na idéia da participação na sociedade. Aí começa a educação social e política, mas só para quem já tem aquela base de sentimento e imaginação.

Depois que você já está participando da sociedade e tem aquele senso da polis, da organização, da sua responsabilidade social, etc; chega um dia em que você vê tantas opiniões circulando que você fica confuso no meio delas e daí você se pergunta: “Peraí, mas de todas as opiniões qual é a verdadeiramente certa?”. É só neste momento que pode entrar a filosofia. Quando você conhece o conjunto das opiniões em circulação. Aristóteles já dizia que a investigação de qualquer assunto na filosofia começa com você colecionando as opiniões predominantes e das pessoas que sabem as opiniões dos sábios. Só na hora que você souber a opinião de todos eles é que você será capaz de começar a formar uma idéia filosófica. Então o ensino da filosofia deveria começar entre os dezoito e vinte anos, quando a pessoa já tem idéia das correntes de opinião que existem na sociedade, quando ela conhece opiniões alheias e conhece tantas que já começa a ficar confusa. Nesta hora entra a filosofia. Filosofia é uma atividade de reflexão. Reflexão é uma digestão. Se você faz a digestão sem ter comida você ganha uma úlcera. A reflexão sem matéria prima e sem conhecimento positivo da religião, da ciência, da história, etc, é o mesmo que digerir o vazio. Assim se cria a mentalidade de um discutidor bobo, pois a coisa mais fácil do mundo é você contestar as coisas e fazer perguntas.

Você pode acompanhar as respostas desse post através do RSS 2.0 Você pode deixar um comentário, ou trackback.

Um Comentário



Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *