Informações para pais e educadores
Header

Emmi Pikler e orientações para os cuidados com os bebês – Parte 2

17 de dezembro de 2011 | Publicado por Mariana em Desenvolvimento infantil

Segunda e última parte do artigo “Estar com os bebês”  (original no site Pikler/Lóczy Fund USA), escrito por Anna Tardos, do Instituto Pikler em Budapeste. Leia também a primeira parte do artigo.

Estar com bebês – Anna Tardos

Tradução: Mariana Discacciati

Revisão da tradução:Raquel Borges

Fora do ambiente da família, é especialmente perigoso se a atividade de trocar e vestir o bebê não é realizada desta maneira alegre. Numa creche ou instituição, o bebê é cuidado não por sua mãe, pai ou avó que o olham com amoroso orgulho, mas por outra pessoa: uma profissional, educadora, cuidadora. Uma cuidadora tem de cuidar de vários bebês – um atrás do outro; e não importa o quanto ela ame crianças, uma vez que foi por isso que ela escolheu essa carreira, ela não pode olhar para cada bebê com o amor orgulhoso, entusiasmante e adorador de uma mãe. E eu quero dizer mais: isso sequer pode ser esperado dela. Não seria realista. E, infelizmente, na realidade seus movimentos muito facilmente se tornam mecânicos, rápidos, e rotineiros. A ocasião de estar junto frequentemente acontece sem palavras, de maneira impessoal. Em uma ‘boa situação’, a criança não protesta, mas aguenta passiva, e talvez faça esse estar juntos um momento difícil por enrijecer seus músculos. E, portanto, não é um prazer para nenhuma das partes: nem para o bebê, nem para o adulto.

Como isto pode ser ajudado? Deve se esperar da cuidadora que ela ame cada criança que ela tem que cuidar como uma mãe? Mas isso é impossível. Sim, isso é impossível. Amor não pode ser prescrito, especialmente afeições maternas. Mas pode ser ajudado. Existem algumas regras pequenas e muito simples, e, se a cuidadora as seguir, a atmosfera de estar juntos se tornará completamente diferente, e será cada vez mais agradável tanto para o bebê quando para o adulto estar juntos durante os cuidados. Eventualmente, com tempo, o adulto não terá que pensar sobre regras e segui-las. Se tornará natural que ele se aproxime do bebê como um parceiro, com interesse pessoal e tato, e sua higiene, limpeza, despir, vestir e trocar fraldas será em última análise um encontro de dois seres humanos. Um encontro real, quando a criança não é apenas o objeto de tudo aquilo que acontece com ela, mas uma participante também. Listadas abaixo estão algumas regras que têm sido formadas, refinadas e trabalhadas baseadas na experiência de algumas décadas do Instituto Pikler em Budapeste, com base nos ensinamentos da pediatra húngara Emmi Pikler. No Instituto, centenas de crianças abandonadas e órfãs foram criadas para se tornarem jovens adultos com personalidades saudáveis, comprovado por estudos de acompanhamento, apesar do fato de que tiveram que lidar com a falta do acolhimento do amor familiar em sua idade mais vulnerável.

  • Nunca pegue uma criança inesperadamente em seus braços de forma que seja surpreendente para ela. Chame-a, procure por seu olhar. Se ela está adormecida e ainda assim você precisa pegá-la, chame-a, gentilmente acaricie sua face, e espere até que ela acorde espreguiçando. Uma vez que o contato visual tenha sido estabelecido, diga a ela que você irá pegá-la. Sim, mesmo com um bebê de apenas alguns dias ou semanas de idade. Então, somente depois, estenda seus braços até ela.
  • Os movimentos nunca devem ser excessivamente precipitados. Permita tempo suficiente ao bebê com seus gestos para que ele se prepare para o que vai acontecer. Por exemplo, toque-o suavemente, posicione suas mãos gentilmente sob sua cabeça e corpo, e então levante-o alguns instantes depois.
  • Ajude-o também com palavras para prepará-lo para o que vai acontecer. Isso também significa que nós nunca ficamos em silêncio juntos, mas falamos com o bebê; mantemos uma conversa. Converse com ele sobre o que será feito, que tipo de roupas serão separadas para serem colocadas nele. Sobre que parte do seu corpo será tocada. Fale com ele, informe-o, não apenas enquanto a ação já está sendo feita, mas também antes dela começar: “Eu irei puxar o seu braço por cima da manga do casaco. Sim, este seu braço. Obrigada”. Acredite se quiser, o milagre irá acontecer com a idade de apenas alguns meses. Sorrindo, o bebê irá, embora incerto, levantar seu braço quando a mão do adulto tentar alcançá-lo. E que prazer é para o adulto, e que prazer para o bebê!
  • O bebê precisa ser ouvido quando o adulto está cuidando dele. Ele precisa ser respondido. Em um relacionamento criado dessa forma o conteúdo da conversa será cada vez mais rico, e o bebê conseguirá respostas às suas manifestações. A cuidadora pode dizer, por exemplo, “Eu vejo que você gosta desse casaco bem quentinho. Sim, estou vendo, você está com sono agora. Você acabou de bocejar. Eu irei te colocar na sua cama em breve. Aqui estamos, eu irei te colocar na sua cama. E agora estou te cobrindo. Bons sonhos!” Um bebê de apenas alguns meses já absorve as palavras direcionadas a ele. E ele ajuda o adulto cuidador a ficar com ele com sua atenção – seus pensamentos, seu interesse – ainda que seja a terceira ou oitava criança cujas fraldas ele esteja trocando naquela manhã.

Estas são regras simples; não há nada de surpreendente nelas. E ainda assim vale a pena observarmo-nos para ver se é realmente assim que estamos agindo, e se nós usamos as oportunidades de estar juntos com a criança para criar um diálogo mais significativo com gestos, olhares, e fala, no qual o bebê também pode sentir que ele é um verdadeiro parceiro e um participante ativo, e que faz a hora de estar juntos mais alegre para o adulto nos momentos de cuidado repetidos durante o dia.

Você pode acompanhar as respostas desse post através do RSS 2.0 Você pode deixar um comentário, ou trackback.

2 Comentários

  • Luiz Ribeiro Leone Neto says:

    Mariana,
    Sou pai de primeira viagem e tenho gostado muito do site, as dicas deste texto serve nao só para cuidadoras profissionais mais para pais também.

    • Mariana says:

      Olá Luiz! Fico muito feliz que o blog esteja sendo útil, essa é a ideia! Essas dicas são mesmo para os pais, às vezes esses detalhes simples acabam ficando de lado na correria do dia a dia, mas fazem uma grande diferença.



Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *